Make your own free website on Tripod.com
Universo Online
Web Sites Pessoais

 

 O Surrealismo na Literatura.jpg (7582 bytes)

 

Literatura surrealista

Os surrealistas reivindicaram como os seus antepassados literários, uma linha longa de escritores, excelente entre os quais, o Comte é Lautréamont, autor do longo e complicado trabalhe Les chants de Maldoror (1868-1870). Além de Breton, muitos dos franceses mais distintos que foram conectados aos escritores de princípios do século XX, uma vez com o movimento; podemos citar: Paul Éluard, Louis Aragon, René Crevel, e Philippe Soupault. Escritores mais jovens como Raymond Queneau também foram influenciados por seus pontos de vista.

Puros escritores surrealistas usaram o automatismo como uma forma literária, isto é, eles escreveram quaisquer palavras que entraram em suas mentes conscientes e consideraram estas palavras invioláveis. Eles não alteraram o que escreveram, como isso uma interferência constituiria com o puro ato de criação. Os autores sentiam que este fluxo livre de pensamento estabeleceria uma concordância com a mente subconsciente de seus leitores. Um exemplo pequeno típico de escritura surrealista é o provérbio de Paul Éluard que declara " Elefantes são contagiosos ". Este automatismo puramente psíquico foi modificado depois pelo uso consciente, especialmente na pintura, de símbolos derivados de psicologia de Freud.

Como os seus precursores os Dadaístas e os surrealistas quebraram regras aceitadas de trabalho e conduta pessoal para liberar sua sensação de verdade interna. O movimento se espalhou pelo mundo inteiro e floresceu na América durante a Segunda Guerra Mundial (1939-1945), quando André Breton estava morando na cidade de Nova Iorque.

Tanto a poesia como o romance tradicionais são rejeitados pelos surrealistas. A livre associação de idéias expressa o funcionamento do inconsciente. Por vezes são reunidas aleatoriamente frases ou palavras recortadas de joranis. O poeta Paul Éluard (1895-1952), autor de Capital da Dor, adota esse processo de criação. André Breton, além dos textos teóricos do movimento, escreve obras ficcionais, entre elas Nadja, O Amor Louco e Os Vasos Comunicantes. Destacam-se também os franceses Louis Aragon (1896-1982) e Jacques Prévert (1900-1977).

O surrealismo serve de base para que Antonin Artaud elabore seu teatro da crueldade. Poeta, dramaturgo, diretor e ator francês. Artaud tem como proposta despertar as forças inconscientes do espectador, para libertá-lo do condicionamento imposto pela civilização.